Mais fotos!

Ok, voilá, mais uma seção de fotos! Começando pela foto da minha queridíssima coreana Sun Jiu, muito fofa!

Mais uma foto natural da classe: Ryoko, minha japonesa favorita (ok, ela é a única japa girl da escola mas eu adoro essa guria), Richard, sem comentários, hehehe, brand new barango, sendo chacoalhado pela Britney Spears nipônica, David, meu coreano favorito número 1 e Yung Jiu, minha coreana favorita número um (a Sun Jiu é a minha coreana favorita número dois porque eu só a conheci depois).

Depois que dividiram a classe Wilde em duas, agora somos a classe Poe e a Soraya é a nossa teatcher. Ah, a Soraya é de origem árabe-indiana e também é muçulmana, adivinhem se já não tricotamos a valer! Da esquerda pra direita: eu, Paula (brasileira, aqui na Berlitz quem não é coreano é brasileiro e vice-versa), David, Soraya e Kelly, minha coreana favorita número três porque só começamos a conversar na classe nova. Ela é ó-te-ma, uma Ivana Trump da Coréia, "minha ídola".

Mais uma foto da classe Poe num dia muito muito muito frio (-20, bêibes, olha o tamanho do meu casaco): Soraya, Kelly, David, moi, Brown (sentado porque ele não quer parecer mais baixo do que eu na foto, então ele disfarça, hehe) que calhou a ser meu coreano favorito número dois e meio que meu fã, digamos assim.

Meu mais novo bebê: o Número Dois. Tudo porque a Maria e o Chuck, meus pais de homestay, disseram que esse ursinho é a cara do Chewbacca. Mas como eu já tenho um filho do Chewbacca, o Harry Chewbacca Júnior, o poodle, precisei dar uma adaptada na criança e chamá-lo de Chewbacca Júnior Número Dois. Ele faz uns sons iguais ao do papai e a explicação para o tal mimo foi um chororô que tive no Wal Mart quando vi essa pequena criatura porque lembrei do Harry, o Número Um. Aí tive que carregar! O bom do Número Dois é que ele não faz seu homônimo dentro de casa.

Video que fiz da nevasca na rua. Por isso que a qualidade não tá lá essas coisas, perche fiz o vídeo dentro do taxi com minha câmera digital - e não com a filmadora.

Enfim, decidi provar comida coreana! A-do-rei aquele tal de Bo Go Gi (parece nome de pokemón mas é um prato com carne e macarrão entrochado de pimenta, pobre daqueles que têm hemorróidas). Da esquerda pra direita: David, Ricardo (brasileiro, lembrem-se de que quem não é coreano, é brasileiro) e Bruce. Gente, o David não é a cara do Jaspion? Isso porque vocês não viram o chinês do fast-food que é a cara do Sílvio Santos e, por isso, sempre almoçamos no patrão, hahaê hihi.

Yuen, uma guria taiwanesa (diga que ela é chinesa que ela fica braba a valer) ao lado do Jaspion, digo, do David.

Brown, eu e o David. Já tô aqui cantando "ô-ô cara tossiu, ô-ô cara tussiu..."

 

E pra fechar o post, mais uma foto minha com os "artista" - já havia esquecido, até. Uma crássica refeita em Nova York mas que eu já tinha tirado em Londres: eu e o tio!!!! Dá-lhe turcão, é nóis na fita e na Palestina!!!



Escrito por Kari às 17h16
[ ] [ envie esta mensagem ]


Já estou longe de casa há um mês e há um mês e não depilo a perna há um mês porque aqui no frio os pelos não crescem, é incrível. Cheguei em Toronto no dia 3 de janeiro e a cidade é a minha mais nova paixão onde conheci novas paixões. Aquele lugar comum de que precisamos chegar ao fundo do poço para ficarmos bem de novo parece ter funcionado comigo. Deixei todos os problemas de 2004 em 2004. Estou feliz. Aliviada. Uma felicidade que até assusta porque sou uma pessimista em potencial. 

Hoje o sol deu as caras por aqui. Meu sábado na cidade foi branco. Uma nevasca assustadoramente forte que me prendeu em casa pela noite. Sim, fui corajosa o suficiente para almoçar fora com a Soraya no restarante Cajú, um brasileiro ótimo e lindo. Saltinho, bêibes, eu não desisto dos meus saltinhos. Caminhei como uma rainha e desci na estação Queen, nada mais justo. Mesmo que neve chegasse até a metade da minha panturrilha e que o chão estivesse escorregadio, não caí nem escorreguei.

Brazilian taste, please

Sábado é dia de feijoada e este foi meu prato principal. A Soraya optou pela nossa worldwide famous picanha. Vinagrete, farofa, arroz, feijoada, couve e mandioca frita. Mousse de maracujá para finalizar. Perfeito. O restaurante Cajú fica na 922 Queen Street West - uma ótima dica para quem estiver em Toronto. Os pratos são refinados e a apresentação é impecável. Pela primeira vez almocei uma feijoada elegante, juro, o prato era linda. Tinha paio e linguiça, somente, mas não sinto saudades das outras nojeiras suínas. Pé de porco, pra mim, só pode ser professor de telejornalismo (piada interna, sorry). 

Voltei para casa e deixei meu casaco preto com punhos e gola de pele verdadeira (Karina for scum) na escada. Preparei meu chimarrão e sentei ao lado da Maria, minha homestay mom, para ver a neve cair. Ela não acha a neve nem um pouco bonita. Talvez tenha se acostumado. Como alguns paulistas se acostumam com as tempestades repentinas de janeiro. Não eu, claro. Sempre paro para olhar o céu escuro, a chuva caindo furiosa e rapidamente e o céu se abrindo de novo. Não me acostumo com a chuva nem com a neve nem com o mar, nuschkur-allah.

La fenêtre... Le Soleil... Le Mapple Syrup!

Sim, já estou treinando meu francês para o final de semana que vem: Québec. Sim, a terra daquele-que-não-digo-o-nome e do meu caríssimo amigo mezzo franco mezzo índio. Mas agora eu divido duas cenas lindas vistas da janela do meu quarto aqui em Toronto: o sol.

vista do meu quarto, hoje, domingo... ao nascer do sol...

o sol já derretendo a neve

Hoje o dia está perfeito para subir na CN Tower. Céu de brigadeiro, como dizem no Brasil. Dizem que nesses dias dá até pra enxergar o estado de Nova York. Tá certo que não sou fã de sol, detesto calor e seria a tenho orgulho do bronzeado-suíço-palmito da minha perna. Mas depois de alguns dias de neve e céu cinza, bah, isso dá um ânimo extra.



Escrito por Kari às 16h25
[ ] [ envie esta mensagem ]


CUIDADO: POST LONGO A VALER

Homestay

Estou numa casa muito legal aqui em Toronto. Hospedada com uma família ítalo-canadense (um viva pros paesanos!) muito simpática: o Charles e a Maria. Eles são fofos, simpáticos, bonitinhos e tudo de bom. Pelo menos por enquanto. Fui super bem recebida mas ainda não venci a barreira da vergonha! Dá vergonha de pedir papel higiênico, de usar o telefone e pegar comida na geladeira. E pra fazer número dois, virge, só quando eles estão fora de casa. Minha jequice é ímpar, eu sei.

Aulas

Adorei minha sala. Só tem coreano e brasileiro. E uma taiwanesa (diga que ela é chinesa e ela fica braba, que bonitinha) e uma japonesa que adora falar de sua vida sexual com seu namorado jamaicano pra classe. Os coreanos são ótimos, adoro a Yung Jiu, o David e o Brown. E a Sung Jiu. Algo assim.

Nada como uma dose de simpatia brasileira. Perguntei o nome coreano original do David pra ser simpática e aprender. Sacomé, política da boa vizinhança. Ele ficou todo feliz e respondeu "my name is nhonhonhóm". Er... morri de vergonha porque não entendi nada e fiz aquela cara de "repeat it please, non capisquei un cazzo" e ele, simpatissíssimo, respondeu "nhonhonhóm". É, não deu. "Great to know, thank you very much... David!"

Gente, meu teatcher é a cara do Clive Burr (ex-batera do Iron Maiden) novinho e de olhos azuis. Foférrimo. Meio barango. Mas quem conheceu o Phil sabe que eu não posso ver um homem feio que já me arrepio, fiu fiu. É nóis.

Borboletas

Nada como ouvir a música "Borboletas" do Amado Batista aqui em Toronto. Ave Maria, dá até arrepio.

Domingo, 16 de janeiro, 20h19, Toronto, -10 graus

Cá estou eu ouvindo "Casa de Irene" no meu laptop (postando em outro dia no internet cafe). No CD de músicas italianas românticas. Não sei porque esta música está numa coletânea melosa se a tal casa de Irene, na verdade, é um puteiro. Não, não estou ouvindo música brasileira nem comendo churrasco por aqui. Tampouco sinto saudades da nossa "curtura". Saudades, bah, só da minha mãe, meus agregrados e meus amigos. E só. E piú niente.

Brasileiros em Toronto, uó Já diria um parente meu que "não se pode dar quepe pra baiano". Sim, que frase politicamente incorreta e um bocado jocosa. Mas faz sentido em uma situação análoga: uma dúzia de brasileiros em Toronto, na mesma escola. Argh. "Vamos falar português após assaltarmos o cofrinho do papai e da mamãe que desembolsaram muitos dólares para nos ver falando inglês." Clap, clap, clap. Argh.

Depois de uma semana estão todos enturmados e falando português pelos cotovelos. O inglês de boa parte deles é vexaminoso. Se você volta pra casa para estudar, você é nerd. É melhor torrar o dinheiro do papai patinando no gelo, um puta programa de índio caro pra diabo feito num lago aguado porque a temperatura está positiva. E já que todos "chegaram chegando", nada como excluir as minorias da escola e rir da cara da japonesa. Bah. Pronto, perdi a paciência.

Ok, assumo que sou venenosa e adoro reclamar e falar mal e falar mal e falar mal e discutir. Tudo porque sou uma pessoa observadora e escroque e politicamente incorreta e diogomainardista. Mas algo que me emputece muito acontece na Berlitz de Toronto... Ryoko Ah, tudo por causa da japonesa. A Ryoko é uma guria do Japão que se veste como a Britney Spears mesmo quando o windchill "vareia" entre os -10 e -20. Namora um negão jamaicano e a-do-ra falar de seu relacionamento e fazer perguntas de conteúdo sexual pro Richard. O que é, confesso, um bocado gozado porque ele é um canadense tri polido e fechado. Sim, ela tem uma aparência um tanto "putosa" mas admito que ela é uma das pessoas que mais estimo ali.

Tudo porque mesmo sendo tão "pura", oh céus, eu juro, ela é uma pessoa pura. Pura e carinhosa e doce como só alguns asiáticos conseguem ser. Como a guria chinesa que tinha lágrimas nos olhos quando soube que eu estudava mandarim. Como a coreana que me abraçava na escola porque eu sou tão alta e tão querida (palavras dela). Como a outra coreana que me fez companhia quando me estrupiei no ski (assunto que será abordado em breve, hehe) e sorri da forma mais linda e doce a cada palavra que digo. Ou como os engraçadíssimos David e Brown - coreanos mais que queridos para essa libanesa que vos escreve.

Então um grupo de meninas não-tão-bonitas-assim julgam que a japonesa, pela sua aparência, é uma pessoa má. "Mas ela é uma pessoa sem maldade", argumento. "Mas o mal ela faz pra si mesma sendo tão vulgar", replicam. Então o grupo encontra um alvo de galhofa. Todos falam e riem. Quando ela passa, também. Em português, aliás.

Taí uma coisa que mexe com as minhas tripas e dá nos meus "nelvos". Um grupinho de gente preconceituosa, os senhores do senso comum, escolhem uma minoria (ela é a única japonesa da escola e, claro, não fala picas de português para entender as palavras agressivas) e a agridem. Um ritual violento e nauseabundo que me emputece até o cólon. Sim, adoro falar mal e deixar meu veneno escorrer. Mas escolher um alvo fraco para atacar quando sei que sou mais forte ou tenho um número maior de pessoas ao meu lado, Allah meu Allah Clemente e Misericordioso, isso é coisa de gente que não vale o que o gato enterra.

Ufa... ENFIM, FOTOS!!!

 Uma foto do grupo... a Sun Jiu (coreana), Ana Paula, Ana Lúcia (atrás) e Ana Karina (eu, sim, engordei, mas a blusa também é larga) e o teacher Richard. Notem que ele não encosta nas gurias porque é neurótico.

 Uma foto natural da classe... Ryoko (japonesa) chacoalhando a cadeira do Richard (sim, ela é meio louca mas é adorável), David (coreano) e a minha coreana favorita, a Yung Jiu. Brown, um coreano gozado cheio de atuações excêntricas.



Escrito por Kari às 18h29
[ ] [ envie esta mensagem ]


Hoje esta quente. Quatro graus celsius. Tava pior. Que tal -10? So passei pra escrever um post breve, a saudade eh grande. E o teclado, uma bosta. Coreano, claro. Nao consigo visualizar nenhum blogue ou e-mail sem ter minhoca ao inves de acentos. Bah. Vou me demorar por aqui. Esta tudo bem. Estou tao feliz. Saudades da mae, dos amigos, dos poodles. Mas fico, assim deve ser. O frio me faz bem, a neve me anestesia, os novos amigos me curam. O Canada me acolhe. Amo.

Saudades...

Ok, que bosta de post pseudo-bonitinho, prometo trazer algo pronto de casa.  To preparando um post especial sobre o bairro portugues.



Escrito por Kari às 17h44
[ ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]

 

ah!libanezza!




BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, HIGIENOPOLIS, Mulher, de 20 a 25 anos, English, Italian, Viagens, Livros, Fotografia


    

www.flickr.com
This is a Flickr badge showing public photos from karinabu. Make your own badge here.

[ moody me ]


[ adoro ]
 23a. Idade
 3 Amiguinhos
 40 Graus Celsius
 Airline Meals
 Al Jazeera
 Ah, tá bom então!
 Bat Biscate
 Brasilsky Komsomolets
 Cabeça Errada
 Caboclo Sem Dente
 Carioca Virtual
 Ciência em Dia
 El Cronopio
 Historinha
 Daniel Becher
 Dusko Du Swami
 Dawn
 Indi(a)gestão
 Introspecthive
 É tudo puta!
 Fazendo a Mendiga
 Irea
 Estrupixels
 Jet Site
 Just Juste
 Fabriquinha de Clássicas
 Karinissima
 Flies in the Marketplace
 Lux-Religare
 Lonely Planet
 Lady Metal
 Gongados
 Madame Gongadera
 Made in Brazil
 Meu Ouvido Não é Penico!
 No Armário da Cá
 Pensar Enlouquece
 Perez Hilton
 Pururuque-se
 Que Pressão é Essa?
 Querido Leitor
 Sajid and Zeeshan
 Santos no Inferno
 Sedotec
 Seung Ju
 Sarajane
 Shoe Me!
 Sorry Periferia
 Stonned Bunny
 Strange Maps
 Technicolor Kitchen
 Te dou um dado?
 Tony Góes
 Modellón
 Tudo Pode Virar Crônica
 Uma Questão de... (Angola)
 Uniform Freak
 Viaje na Viagem
 Yalla!
 Oh Pakistan!
 Yuppie Guy



[ adote, doe ]
3 Amiguinhos
Anjos para Adocao
Jardim dos Amiguinhos
Jardim dos Amiguinhos - flog
Kantinho dos Peludos Novidades Bichos
Quero um bicho!
Vamos Ajudar!
Vittorio!







My 43 Places

[ brazzies overseas ]

23a. Idade
Astarojna
Balzakiana
Farofa na Neve
Meu Cantinho
No Armario da C?
O Imigrante ? um Forte
Pensamentos e Poesias
Shanghai Pudong - GRU

 


[ fun ]

Alan Sieber
Caco Galhardo
Camilla Eriksson
Kibe Loco
Maitena
N?quel Nausea
Radicci
Sarajane Fotonovelas
Sherman's Lagoon
The Far Side


[ fratelli d'Italia ]

Blob of the Blogs
Diario di Periferia
Grazie, Silvio
Il Tao del Blog
Momoblog
Se me lo Dicevi Prima
Silvio Berlusconi
Uiall?ll?
Voglia di Terra
Zoomata


[ links ]

Aria Database
Bayerische Staatsoper
Dawn
Fodor's
Footprint
Frommer's
Geoeconomy
Lonely Planet
Panrotas
Plastic.com
Reporters Without Borders
Robert Fisk
Rough Guides
World Newspapers
World Press Review
The Opera Critic
Trek Lens
Tripmates
World is Round



 



[ once upon a time ]

- 01/07/2008 a 31/07/2008
- 01/06/2008 a 30/06/2008
- 01/05/2008 a 31/05/2008
- 01/04/2008 a 30/04/2008
- 01/03/2008 a 31/03/2008
- 01/02/2008 a 29/02/2008
- 01/01/2008 a 31/01/2008
- 01/12/2007 a 31/12/2007
- 01/11/2007 a 30/11/2007
- 01/10/2007 a 31/10/2007
- 01/09/2007 a 30/09/2007
- 01/08/2007 a 31/08/2007
- 01/07/2007 a 31/07/2007
- 01/06/2007 a 30/06/2007
- 01/05/2007 a 31/05/2007
- 01/04/2007 a 30/04/2007
- 01/03/2007 a 31/03/2007
- 01/02/2007 a 28/02/2007
- 01/01/2007 a 31/01/2007
- 01/12/2006 a 31/12/2006
- 01/11/2006 a 30/11/2006
- 01/10/2006 a 31/10/2006
- 01/09/2006 a 30/09/2006
- 01/08/2006 a 31/08/2006
- 01/07/2006 a 31/07/2006
- 01/06/2006 a 30/06/2006
- 01/05/2006 a 31/05/2006
- 01/04/2006 a 30/04/2006
- 01/03/2006 a 31/03/2006
- 01/02/2006 a 28/02/2006
- 01/01/2006 a 31/01/2006
- 01/12/2005 a 31/12/2005
- 01/11/2005 a 30/11/2005
- 01/10/2005 a 31/10/2005
- 01/09/2005 a 30/09/2005
- 01/08/2005 a 31/08/2005
- 01/07/2005 a 31/07/2005
- 01/06/2005 a 30/06/2005
- 01/05/2005 a 31/05/2005
- 01/04/2005 a 30/04/2005
- 01/03/2005 a 31/03/2005
- 01/02/2005 a 28/02/2005
- 01/01/2005 a 31/01/2005
- 01/12/2004 a 31/12/2004
- 01/11/2004 a 30/11/2004
- 01/10/2004 a 31/10/2004
- 01/09/2004 a 30/09/2004
- 01/08/2004 a 31/08/2004
- 01/07/2004 a 31/07/2004
- 01/06/2004 a 30/06/2004
- 01/05/2004 a 31/05/2004
- 01/04/2004 a 30/04/2004
- 01/03/2004 a 31/03/2004
- 01/02/2004 a 29/02/2004
- 01/01/2004 a 31/01/2004
- 01/12/2003 a 31/12/2003
- 01/11/2003 a 30/11/2003
- 01/10/2003 a 31/10/2003
- 01/09/2003 a 30/09/2003
- 01/08/2003 a 31/08/2003
- 01/07/2003 a 31/07/2003
- 01/06/2003 a 30/06/2003
- 01/05/2003 a 31/05/2003